quarta-feira, 1 de abril de 2009

Marvada Carrne

Pesquisa financiada pelo National Cancer Institute (EUA), e publicada no Archives of Internal Medicine (EUA), edição de 23 de março de 2009, sobre a relação entre consumo de carne e o câncer. O artigo pode ser lido na íntegra a partir do link (inglês):

http://archinte.ama-assn.org/cgi/content/full/169/6/562

O artigo é livre para leitura. Você pode baixar o arquivo em pdf. Se no momento em que você ler esta postagem o artigo não estiver disponível, mande um email para mim que enviarei o pdf:

carlos.coimbra(at)gmail.com

onde (at)=@.

O resumo da ópera é que o estudo mostra o que todo mundo já sabe um pouco: consumo em excesso de carne vermelha provoca alto risco de câncer e doenças cardiovasculares.

A pesquisa foi realizada com 500 mil estadunidenses entre 50 e 71 anos, e a conclusão do trabalho é que 11% das mortes em homens e 16% das mortes em mulheres poderiam ser adiadas se o consumo de carne fosse reduzido para 9 gramas do produto a cada 1000 calorias ingeridas. Isso equivale a comer dois bifes de 60 gramas por semana.

Cruzando esses resultados com informações da Organização Mundial de Saúde (OMS), o risco aumenta ainda mais dependendo do modo como é preparada a carne: o churrasco, por exemplo, é altamente cancerígeno (o carvão libera alcatrão e outras substâncias cancerígenas); e a carne de hamburguer (rica em nitritos e nitratos) aumenta o risco de câncer de estômago e intestino.

Nenhum comentário:

Postar um comentário