domingo, 5 de abril de 2009

Sete razões para aderir à meditação

A meditação é uma técnica muito antiga, iniciada por yogis indianos há milhares de anos atrás. Não se sabe ao certo exatamente quando. A melhor pista são os hieróglifos encontrados na antiga cidade indiana de Harappa, onde se veem desenhos representativos de pessoas em posição de meditação. Tais desenhos estão datados em cerca de 1500 a.C. No entanto, muitos indianos clamam e atestam que a chamada "ciência do yoga" ou da "meditação" já tenha sido desenvolvida antes de 8000 a.C.

De qualquer forma, independentemente desta discussão, intuitivamente qualquer pessoa é capaz de perceber que o fato de parar e ficar um pouco em silêncio já é uma atitude que pode render bons frutos para o desempenho social, profissional e geral. O fato é que de alguma forma muitas culturas religiosas ou não religiosas começaram a empregar a meditação de uma maneira mais ou menos ostensiva. Alguns exemplos podem ser citados:

Yoga: sistema cujo fim último é o contato com o ser interior (brahman), desenvolveu centenas de técnicas para se meditar. Os aforismos de Pantajali são o principal código do que é yoga (600 a.C.). Existem algumas pessoas que difundiram algumas técnicas no ocidente, como Paramahansa Yogananda (Kriya yoga) e Maharish Mahesh (meditação transcedental).

Hinduísmo: aqui, como herança direta do yoga, a meditação é largamente empregada por crianças e adultos desta religião.

Budismo: várias técnicas empregadas no budismo chinês ou japonês foram desenvolvidas na Índia (diz-se que o próprio Buda atingiu o nirvana através de um estado meditativo muito profundo), e são altamente empregadas principalmente no budismo mahayana do Tibet e no zenbudismo (meditação zazen).

Profetas semitas: muitos profetas semitas usavam a meditação como forma de encontrar inspiração para desenvolver grandes trabalhos: por exemplo, em geral os profetas judeus se retiravam para o deserto e permaneciam em jejuns e em estado meditativo por muito tempo; os grandes sufis do mundo islâmico também se retiravam para cavernas para meditar.

Santos Católicos: muitos santos católicos se retiravam para meditar em cavernas. Os principais santos que promoveram a técnica foram Juan de la Cruz e Teresa Dávila, que diziam que uma das principais ações que um ser humano poderia desenvolver para encontrar Deus era permanecer em silêncio e em meditação. A própria oração baseada no rosário é derivada da meditação sufi, budista e yogi do oriente.

Apesar da constante ligação com religiões, a meditação também tem uso independente do caráter religioso: no zenbudismo, por exemplo, não existe caráter relioso algum: deve-se meditar por meditar, com o único intuito de ter contato direto com a realidade. Nas antigas filosofias materialistas da Índia, por exemplo o sistema Sankhia, a meditação era largamente empregada, mas o fim era apenas terapêutico.

Ultimamente muitas pesquisas científicas estão sendo realizadas com pessoas que meditam muito, como os monges tibetanos. Estas pesquisas já levam a algumas conclusões. Por exemplo (a maioria destas pesquisas estão sendo desenvolvidas nos EUA):

1) Maior interação entre os dois hemisférios cerebrais, e maior harmonia entre a parte frontal e o resto do cérebro. (Do estudo realizado por Gary Kaplan, neurologista da New York University.)

2) Alta redução do estresse e eficiente estabilização da pressão sanguínea. (Do estudo de Kulreet Chaudry, neurologista e diretora do Scripps Memorial Hospital de San Diego.)

3) Maior capacidade de concentração, compreensão e manunteção do foco. (Dos estudos realizados com o Torrence Test of Creative Thinking.)

4) Aumento da criatividade. (De estudos realizados com o Torrence Test of Creative Thinking.)

5) Aumento da calma. Testes realizados durante a meditação aumentam a resistência da pele durante a prática. Resistência da pele é uma medida eletrofisiológica de calma e tranquilidade. (Estudo publicado no Physiology & Behavior 35: 591–595, 1985.)

6) Melhoria do comportamento social (do estudo realizado e publicado na Perceptual and Motor Skills 64: 1003–1012, 1987).

7) Satisfação pessoal e maior sentimento de felicidade (do estudo realizado e publicado no Journal of Social Behavior and Personality, 1991).

Para saber o que é meditação e como meditar, passarei diversos sítios a seguir, que tentarão satisfazer ao religioso, ao materialista ou ao simples curioso:

Wikipedia em inglês (muito bom):
http://en.wikipedia.org/wiki/Meditation

Wikipedia em português (em desenvolvimento):
http://pt.wikipedia.org/wiki/Medita%C3%A7%C3%A3o

Christian meditation (em inglês):
http://www.frimmin.com/faith/meditation.php

Meditação Cristã:
http://www.wccm.com.br/

Técnicas de Yogananda:
http://www.yogananda.com.br

Técnicas da Meditação Transcedental:
http://meditacao.transcendental.sites.uol.com.br/

Informações sobre cursos de meditação budista (templo Zu Lai):
http://www.templozulai.org.br/zulai.htm

Meditação e Espiritismo:
http://www.divaldofranco.com/livro_dentro.php?livro=32

Aprenda Zazen:
http://www.sotozencuritiba.org/como_praticar.php

Nenhum comentário:

Postar um comentário