sábado, 8 de agosto de 2009

Quando Plutão foi rebaixado

Aproveitando as comemorações do Ano Internacional da Astronomia, e a nova Assembleia Geral da União Astronômica Internacional (IAU), que está acontecendo no Brasil, abaixo um breve relato da minha viagem a Praga em 2006, onde expus minha pesquisa na Assembleia da IAU, experiência em que tive oportunidade de participar das discussões sobre a natureza de Plutão e da votação onde ele se transformou de planeta para planeta-anão.

------
Praga, 18 de agosto de 2006. (Sexta-feira)

A viagem foi bastante cansativa... A gente dorme pouco, tem o fuso-horário, a conexão em Paris... Mas vale a pena! Vim conversando com o Rama, Professor da USP, e orientador de meu amigo Alberto.

Praga é uma cidade lindíssima, povo educado e cordial. Nao vi até agora nenhuma sujeira no chão. Trouxe um dicionário de tcheco, e como poucas pessoas aqui falam inglês, foi engraçado tentar treinar tcheco no metrô. Ahoj! Dobri den! Etc e tal.

Cheguei ao hotel e fui direto para a Assembleia. Assisti a um concerto muito bonito e a uma palestra sobre os buracos negros galáticos. Mas com mente cansada e com fuso horário, fica difícil. O Congresso é imenso, acho que o maior congresso que fui na vida. Isso é um pouco ruim, mas ao mesmo tempo interessante: gente do mundo inteiro para trocar experiência científica.

------


Praga, 20 de agosto de 2006. (Domingo)

Passei o fim de semana passeando pelas ruas de Praga. A cidade é encantada, com todas aquelas torres pontiagudas, escuras e com pontas douradas. Subi em algumas delas para ter um panorama geral da cidade.

Três atrações me chamaram mais a atenção: assistir à ópera Don Giovanni de Mozart, no States Theatre, o local original onde foi encenada pela primeira vez, passear na praça onde Kafka morava (ali há a igreja onde Brahe está sepultado, longa vida a Tycho Brahe, e o relógio astronômico, coisa raríssima de se ver por aí), e a famosa ponte Carlos (foto acima), onde é possível acessar o palácio de Praga, local que fora sede do Sacro Império Romano na época de Kepler.

Confesso que lágrimas brotaram quando atravessei as pontes do Moldávia, e ao mesmo tempo ouvir no meu mp3 player a sinfonia Ma Vlast (Meu País) de Smetana. Muito lindo. Cisnes brancos e pretos e o marulhar do leito.

Existe um turismo científico muito vivo em Praga. Aqui moraram Kepler, Brahe, Einstein e Doppler. E existem muitas indicações das casas por onde estes personagens passaram. Turisticamente é uma cidade perfeita.

A arquitetura é bastante peculiar. E guarda o ar de séculos passados. Por isso em geral muitas produções cinematográficas (como Amadeus, p.ex.) são filmadas aqui.

-------
Praga, 21 de agosto de 2006. (Segunda-feira)

Passei o dia com meu orientador, Prof. Letelier. Almoçamos e jantamos juntos. Conversamos bastante sobre várias coisas, mas principalmente sobre o artigo que estamos escrevendo juntos. Acreditamos que seja um ótima novidade sobre curvas de galáxias, utilizando relatividade geral. Fechamos que será submetida para a Nature (fiquei muito feliz quando o Letelier propôs isso!!).
Estamos ajustando o texto para o desafio. Inclusive apresentaremos o trabalho aqui em Praga.

Durante a Assembleia reencontrei diversos amigos e professores. Discuti com a Vice-Presidente da IAU, Prof. Barbuy, e com o Prof. Laerte, lá da Usp, sobre as características de Plutão e polêmica sobre o provável "rebaixamento". O IAU quer aprovar 53 novos planetas (coitadas das crianças...). Mas existe uma séria oposição a esta ideia. A oposição quer reduzir o número a 8 e transformar os outros em objetos transnetunianos (incluindo Plutão). Enfim, me parece que amanhã sai uma decisão sobre o assunto.

--------
Praga, 22 de agosto de 2006. (Terça-feira)

Hoje votei para decidir algo sobre os planetas. Bem historico, né? Foi uma votação preliminar para se decidir qual a melhor opção: 53 novos planetas, ou transformar Plutão em transnetuniano. Fui a favor da última opção, devido às características peculiares de Plutão, que mais se assemelha a um cometa em órbita elíptica com alta excentricidade (diferentemente dos planetas comuns). No entanto, por enquanto nada fechado.

Hoje pela manhã houve uma palestra que me interessou bastante, sobre cálculos de estruturas autogravitantes. Conversei também umas coisas boas do trabalho com o Letelier.

À noite saí com uns brasileiros da Usp, uns tchecos e indianos, tomei uma cerveja de Pilsen (regiao tcheca) e voltei para casa eram umas 23h, meio exausto.

-------
Praga, 24 de agosto de 2006. (Quinta-feira)

Hoje é o dia da votação definitiva.

Ontem, foi tempo livre, e fiz outro tour por Praga. Obtive na Assembleia um livreto de locais de turismo científico em Praga e visitei a casa de Einstein e o observatório onde Brahe fazia alguns trabalhos.

Acabei de votar (foto acima). Votei para que Plutão perca o cargo. E a decisão final foi tomada agora há poucos minutos. Plutão fica como o primeiro pluton, ou planeta anão. Perde portanto o estatus de planeta. Fora os oito planetas (Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano, Netuno), quaisquer outros objetos serão simplesmente categorizados como "objetos do sistema solar".

Baseei meu voto nos seguintes argumentos: Plutão tem estrutura de cometa, feito em boa parte de gelo sujo, tem órbita destacada e altamente excêntrica, suas dimensões são diferenciadas dos outros planetas, e outros novos 53 objetos têm características semelhantes às de Plutão. Portanto, se estes 53 novos objetos não podem se tornar planetas, Plutão consequentemente deverá ser rebaixado. E é isso...

Amanhã faço minha trouxa e passo o fim de semana em Paris.

Um comentário: