quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

10 Melhores filmes 2009

Aí vai minha lista dos 10 mais de 2009.

Up - Altas Aventuras (de Pete Docter e Bob Peterson, EUA): a Pixar tem acertado quase sempre, e é a segunda vez que considero um filme da Pixar o melhor do ano (o outro Ratatouille em 2007: adorei Paris e a gastronomia francesa no olhar pixariano); aqui temos um vovô nostálgico em paisagem exuberante, roteiro magnífico, voltei à infância. Os dez primeiros minutos são memoráveis e a singularidade da narrativa é fascinante.

Entre os Muros da Escola (de Laurent Cantet, França): não foi à toa que ganhou Cannes; questionamentos sobre ser aluno e professor na pós-modernidade. A cena em que o professor chama a aluna de vadia e o resultado disso já valem o filme.


Distrito 9
(de Neill Blomkamp, África do Sul): e se os alienígenas viessem? E se eles fossem aparentemente mais fracos? E se eles fossem "feios"? Este filme é um passeio sobre o que seria a vinda de alienígenas "fracos, feios e nojentos" e sua segregação em uma favela no meio de uma cidade grande do terceiro mundo. Efeitos visuais eficientes. A trama evoca a tônica de clássicos como "A Mosca" (o humano se transformando em "monstro"), "Cidade de Deus" (os favelados e toda violência que podem oferecer) e "Alien" (o horror que seres alienígenas são capazes de causar).

Um Lugar ao Sol (de Gabriel Mascaro, Brasil): documentário ousado sobre a vida dos brasileiros que moram em coberturas de luxo. O próprio discurso de muitos dos entrevistados parece cavar uma cova rumo ao ridículo. Reflexão social de primeira linha que certamente será pouco lembrada pelo público nos próximos anos. Mas faço questão de enfatizar que este é um dos filmes de que mais gostei em 2009 e quiçá em minha vida. Tive o prazer de me encontrar com o diretor em Recife e fazer algumas perguntinhas. Certamente é o melhor filme brasileiro de 2009, se bem que ainda não vi o novo de Marcelo Gomes (que dizem que arrebentou a boca do balão).

Star Trek (de J. J. Abrams, EUA): a história do Cap. Kirk, Dr. Spock e nave enterprise é repaginada numa versão rica em efeitos visuais excelentes, evocação correta da física e astrofísica, diálogos eficientes e jocosos. O melhor roteiro que já vi em ficção científica sobre viagem no tempo e universos paralelos.



Deixe Ela Entrar (de Tomas Alfredson, Suécia): benvinda surpresa, ousada e de estética incrível, história de vampiros que humilha sem dó "Crepúsculo", "Lua Nova" e toda tralha do gênero.



Bastardos Inglórios (de Quentin Tarantino, Alemanha): sátira de primeira linha aos "patéticos arianos". Christopher Waltz, no papel de Cel. Landa, rouba o filme e se consagra, na minha humilde opinião, como o melhor ator de 2009. A primeira cena, ou capítulo 1 "Numa França dominada pelos Nazistas", é sensacional, homenagem clara aos filmes de Sergio Leone. A cena da taberna francesa, bem como o finale no cinema francês, merecem menção honrosa. O filme é falado em quatro idiomas.

A Partida (de Yojiro Takita, Japão): Oscar de melhor filme estrangeiro de 2009, um filme sensível às fases da vida humana, mormente no que concerne à morte. A história de um violoncelista que se torna embalsamador de cadáveres, seguindo a curiosa tradição funerária japonesa. Os preconceitos, alegrias e tristezas que advêm da profissão são abordados com esmero.

Avatar (de James Cameron, EUA): ficção científica e criação biológica soberba de um mundo totalmente novo, com fauna, flora e mitologia próprias. É isso que James Cameron faz neste filme de efeitos visuais excepcionais, orquestrados pela WETA de Peter Jackson. Os personagens artificiais pela primeira vez parecem ter olhares autenticamente humanos.

Se Beber não Case (de Todd Philips, EUA): existe uma fina linha que separa o besteirol (aqui "americano") da comédia inteligente. Se Beber não Case é um exemplo claro de como um filme aparentemente besteirol consegue transpor a linha e se tornar humor inteligente de primeira.

Minhas fotos na Cornualha: uma homenagem






Imprensa suspeita...

É engraçado ver algumas atitudes da imprensa brasileira. É tão engraçado que existem alguns jornalistas independentes (ou que tentam ser independentes, como Paulo Henrique Amorim) que acusam muitos dos setores mais poderosos da imprensa de serem golpistas.

Por exemplo, acabo de chegar de viagem do Paraná e agora encontro-me em Recife. Circulando pela cidade me deparo com um outdoor do Diário de Pernambuco, jornal mais antigo em circulação do Brasil, fazendo propaganda de Eduardo Campos, governador de Pernambuco.

No outdoor lê-se: Eduardo Campos, o melhor Governador do Brasil; homenagem do Diário de Pernambuco.

Nada contra Eduardo Campos. Quer dizer, tenho algumas restrições, mas em geral o considero um governador razoável com muito rabo preso.

Nada contra o Diário de Pernambuco. É um jornal como os outros: sempre dando muita notícia policial, política e econômica, nada de ciência e quase nenhuma cultura.

Agora, utilizar-se de um outdoor para promover a imagem de um governador, mesmo fora da época de campanha eleitoral, a meu ver é no mínimo suspeito, condenável e medíocre.

Fica aqui o meu repúdio à atitude do Diário de Pernambuco.

Louvar as atitudes de um governador não é algo ruim em si. No entanto, que confiança teremos num jornal que assim procede? Que notícias políticas serão realmente confiáveis, limpas e neutras no Diário de Pernambuco?

domingo, 27 de dezembro de 2009

O presidente Lula e os vasos comunicantes

Carlos Chagas

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009 | 06:59


Tendo cursado o Primário e, depois, uma Escola Técnica, o presidente Lula não recebeu aulas de Física. Não é culpa dele, assim, ignorar o elementar princípio dos vasos comunicantes, aquela brincadeirinha que fazia os alunos torcerem para ver que tubo de ensaio encheria primeiro de água, alimentado pelo principal. No fim, era sempre a mesma coisa: os vasos interligados terminavam com o conteúdo nivelado em poucos segundos.

Por ignorar essa lição planetária, o presidente da República vem sistematicamente incorrendo em erro fundamental, todas as vezes em que se refere à Previdência Social e às pretensões dos aposentados com vencimentos acima do salário mínimo. Inconformados com reajustes sempre inferiores aos do menor salário nacional, esses vasos trincados vão sendo nivelados por baixo. Quem se aposentou com quatro salários mínimos, em poucos anos estará recebendo dois, com o risco de, em breve, vê-los transformados em um. Encontram-se os aposentados garfados em seu poder aquisitivo, mesmo tendo trabalhado e descontado por quarenta anos na base dos quatro salários mínimos.

Mas tem mais, em termos de vasos comunicantes. Mesmo admitindo-se que a Previdência Social dê prejuízo, coisa de que muitos ex-ministros discordam, nada mais natural do que outras fontes de receita do estado venham contribuir para nivelar as despesas. O Imposto de Renda, por exemplo, dá um lucro dos diabos. Os demais impostos, taxas e contribuições, também. Nada mais natural, em se tratando de um país uno e indivisível, do que a existência de um caixa único.

Cai o presidente Lula na conversa malandra das elites financeiras e de seus representantes na equipe econômica. O chefe do governo sacrifica os aposentados em nome do que seria um sacrilégio em Física, a negação do princípio dos vasos comunicantes.

Ainda agora o governo anuncia um reajuste de quase 9% para os aposentados de salário mínimo, e de pouco mais de 6% para os que se aposentaram com valores superiores. Importa repetir, em pouco tempo o Brasil inteiro que parou de trabalhar estará recebendo apenas o salário mínimo.

A malandragem? Ora, para evitar esse empobrecimento inevitável, o cidadão que passe a investir na previdência privada, aquela que faz a alegria dos bancos e das financeiras.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Ontem me perguntaram...

Ontem me perguntaram quem eu achava os mais admiráveis e os mais burros.

Os mais admiráveis, respondi, fazendo plágio flagrante de um tal email de Madre Teresa de Calcutá que circula por aí, são as crianças.

Os mais burros. Para mim não há muita discussão. Depois de anos de estudo sobre clima, depois de trilhões de observações sobre todas as desvantagens, acredito que hoje o mais burro é quem investe o seu dinheiro em um carro. Quer dizer, investir não é a palavra, porque carro é um "desinvestimento". Imagine-se numa balbúrdia no meio de um trânsito infernal, buzinas para lá e para cá, impostos para pagar, seguro para pagar, medo de ser assaltado, ficar à mercê do vaievem do preço dos combustíveis, desvalorização precoce, e acima de tudo, poluição sonora e acima acima ainda poluição do meio ambiente.

É isso que acho.

Quem me perguntou achou o discurso meio radical e disse que o carro era uma necessidade primária.

Sinceramente, acho isso uma grande desculpa. A desculpa para justificar o estatus social ou o fato de a pessoa se achar inferiorizada caso não tenha um carro.

É isso mesmo: carro grande, pinto pequeno.

Quem tem dinheiro que ande de táxi e dê empregos a milhares de motoristas. E no dia que precisar de um carro, quiser dirigir um, vá até a rent car mais próxima e alugue um.

Ponto final.

domingo, 6 de dezembro de 2009

A indústria e nós, seus cobaias. Cap 3: Telefones Celulares 2

Continuando a discussão de como a indústria em geral utiliza de meios experimentais "altamente" científicos para testar seus produtos em seus clientes, e prosseguindo com o debate sobre telefonia celular, vejam o seguinte estudo.

O uso do celular deve matar mais que o cigarro em alguns anos, segundo estudo de um médico australiano publicado na internet. Vini Khurana, um neurocirurgião que recebeu 14 prêmios em 16 anos, pede que a população use o aparelho o mínimo possível, principalmente quando se trata de crianças.

O médico analisou cerca de cem trabalhos científicos publicados sobre o tema para chegar às suas conclusões. Segundo ele, há ao menos oito estudos clínicos que indicam uma ligação entre o uso de celulares e certos tipos de tumor no cérebro.

"Já há previsões de que esse perigo tenha mais ramificações para a saúde pública do que o amianto ou o fumo. Isso gera preocupações para todos nós, especialmente com a geração mais nova", afirma Khurana, que é professor de neurocirurgia na Faculdade Nacional de Medicina da Austrália, no estudo.

A comparação entre as mortes causadas por cigarro e por celular se deve ao fato de, atualmente, cerca de 3 bilhões de pessoas usarem esses aparelhos, número três vezes maior que o de fumantes, afirmou ele ao jornal "The Independent".

Para Khurana, ainda não há mais dados sobre o assunto pelo fato de a intensificação no uso dos celulares ainda ser recente. Ele afirma que o período de "incubação" --tempo entre o início da utilização do aparelho e o diagnóstico do câncer em um indivíduo-- dura de dez a 20 anos.

"Entre os anos de 2008 e 2012, nós teremos atingido o tempo apropriado para começar a observar definitivamente o impacto dessa tecnologia global nos índices de câncer de cérebro", diz ele.

Para evitar o problema, Khurana sugere, entre outras medidas, que as pessoas evitem ao máximo o uso do celular, dando preferência ao telefone fixo. Ele pede também moderação no uso de Bluetooth e de headsets (fone de ouvido com microfone) sem fio. Outra dica, de acordo com o médico, é usar o viva-voz para falar, mantendo o celular a pelo menos 20 cm da cabeça.

Em janeiro deste ano, o governo francês pediu "prudência" no uso de celular pelas crianças, apesar de não ter dados científicos que comprovem os malefícios do aparelho para a saúde.

O ministério pediu que as "famílias sejam prudentes e saibam usar estes aparelhos", lembrando que é recomendado o uso moderado do celular, principalmente pelas crianças, "que são mais sensíveis porque seus organismos ainda estão em desenvolvimento".

Fonte: Folha Online, 31/03/2008

Discussão sobre relatórios científicos correlatos:

http://coimbraviajando.blogspot.com/2009/10/industria-e-nos-seus-cobaias-cap-1.html

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Café da manhã dos brasileiros

Hoje cedo, acessando a página de um grande jornal do Brasil, observo com curiosidade antropológica as notícias mais lidas:

1) Leila Lopes é encontrada morta dentro de casa

2) Leila Lopes: polícia civil cogita overdose e vai investigar morte

3) Mãe é presa por acorrentar o filho dentro de casa

4) Travesti é assassinado em bairro nobre


Eis o cardápio de café da manhã de nós, povo brasileiro.