quinta-feira, 22 de julho de 2010

Essa balbúrdia entre Colômbia e Venezuela não me cheira muito bem, principalmente por causa dos EUA

Sinceramente, eu acho que Chávez errou ao quebrar as relações diplomáticas com a Colômbia. Nem nas sangrentas batalhas medievais os países quebravam relações diplomáticas... Roma e Pártia, os dois gigantescos impérios rivais da antiguidade, tinham estreitas relações diplomáticas. A diplomacia é o remédio necessário num mundo ainda governado pela marcação de território via urina de indústrias bélicas.

Para quem ainda não sabe, Hugo Chávez cortou relações diplomáticas com a Colômbia depois de ser duramente acusado de abrigar milícias das Farc.

Não me preocupo com as baboseiras ditas pelo presidente Uribe. São totalmente irrelevantes. O que de fato me preocupa é que talvez Chávez tenha caído numa armadilha dos Estados Unidos.

Pensemos juntos:

1) A Venezuela é o maior produtor de petróleo da América do Sul.

2) O Iraque, na época da invasão estadunidense, era o segundo maior produtor de petróleo do mundo!

3) A Venezuela, por esses dias, foi acusada de abrigar terroristas a partir de supostas imagens de satélite.

4) Naquela época, o Iraque foi acusado de possuir fábricas de armas químicas a partir de provas altamente duvidosas apresentadas numa reunião do Conselho de Segurança da ONU: se lembram do patético Colin Powell mostrando as fotos de satélite que não provavam absolutamente nada? E além disso, lembram-se que Saddam Hussein foi acusado de abrigar um braço da Al Qaida no Iraque?

5) Hugo Chávez é visto pela opinião pública estadunidense como um perigoso ditador que precisa ser detido.

6) Saddam Hussein era visto naquela época pela opinião pública estadunidense como um perigoso ditador que precisava ser detido.

Não quero aqui afirmar que Hugo Chávez é um baluarte da santidade. No entanto, acredito que, pelo menos no contexto atual, ele está longe de ser um ditador teocrático como Saddam Hussein o foi.

Ao contrário, Chávez é um grande ingênuo! No fundo, no fundo, a única nação que realmente o apóia é Cuba. Se alguma guerra for declarada contra Chávez quem é que vai ter coragem de ser contra os EUA?

O que eu quero dizer é que a decisão de romper com a Colômbia foi uma grande trapalhada. Qualquer criança que leia jornal há algum tempo será capaz de perceber a argúcia norte-americana por trás deste complexo jogo de xadrez onde um dos principais peões é o presidente Uribe e com certeza o rei não é Barack Obama. O rei está muito longe de ser Barack Obama.

Descubra quem matou Kennedy e você vai descobrir quem é o rei.

Tenho a leve impressão que Chávez acabou de fazer aquela jogada em que o xeque-mate será inevitável. Aquela jogada de jogador imaturo tão longamente esperada por enxadristas experimentados.

É o xeque-mate que aponta para a inevitabilidade de uma guerra.

E hoje em dia as alegadas guerras ao terror, além de estúpidas, mentirosas, monumentais e de longa duração, são basicamente articuladas a partir de imagens de satélite que nada significam.

Nenhum comentário:

Postar um comentário