terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Ordem Jedi é escolhida como religião por 15 mil tchecos

Para animar um pouco o presente blog, aí vai uma notícia passada pelo amigo e primo Guilherme Luna:

Do Uol Notícias, 20/12/2011


A "Ordem de Jedi", organização fictícia da saga cinematográfica "Star Wars", foi escolhida como religião por mais de 15 mil pessoas na República Tcheca, como mostra censo realizado em 2011 no país. De acordo com o site CzechPosition, a maioria dos fanáticos está na capital, Praga.
Ainda que o catolicismo seja a religião que prevalece na República Tcheca, o site oficial do censo afirmou que um "número considerável de pessoas aderiu aos valores morais dos Cavaleiros de Jedi".
Um porta-voz da empresa que realizou a pesquisa disse que a opção foi incluída nas entrevistas depois de uma série de discussões sobre a seriedade da escolha. "Mas não cabe aos estatísticos dizer o que é e o que não é religião", justificou.
Em 2001, milhares de canadenses também responderam "Ordem de Jedi" como religião e, no mesmo ano, 53 mil neozelandeses fizeram a mesma opção.

domingo, 11 de dezembro de 2011

COP-17 e o futuro do Protocolo de Quioto


UOL Notícias, 11/12

Apesar de criticado por ambientalistas, o resultado da 17ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-17), em Durban, África do Sul, foi bem avaliado pela presidenta Dilma Rousseff.

Em conversa por telefone com a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, Dilma disse ter ficado “satisfeita com o resultado da conferência e, em especial, com o desempenho do país durante as negociações”.

Representantes de 194 países concordaram, durante as negociações terminadas na madrugada de hoje (11), em renovar o Protocolo de Quioto para pelo menos até 2017, e iniciar um processo com força legal, visando a um novo pacto global sobre o clima. O documento aprovado prevê o início das negociações já no ano que vem.

Durante as reuniões, foi instituída a estrutura do Fundo Verde do Clima, criado para financiar ações de combate às mudanças climáticas. No entanto, o número de países participantes do novo protocolo foi reduzido, com a saída da Rússia, do Japão e do Canadá.

De acordo com o Palácio do Planalto, a renovação do protocolo dará “fôlego para que as negociações não parem”.