quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Baghettes, baghettes...

Há um tempo atrás finalmente aprendi a fazer baghette em casa.

A coisa não é tão difícil o quanto parece. Na verdade, tem muitos detalhes que só na prática são observados, como por exemplo a arte de amassar uma massa de trigo.

A massa de trigo é o segredo, não há dúvida. Para fazê-la, misturo uma boa farinha (preferencialmente as dedicadas para a fabricação de pão) com água e fermento (levedura instantânea). As farinhas comuns do tipo 1 que vendem no mercado também servem. Farinha integral misturada deixa o pão muito bom. Prefiro assim.

Inicialmente, em uma pequena bacia coloco duas ou três xícaras de água morna, misturo duas colheres de sopa de levedura e uma colher de sopa de sal. Cubro com um pano e deixo descansando por uns 10 minutos (às vezes 15 ou 20 se a temperatura ambiente está mais fria).

 Depois, aos poucos despejo de 5 a 6 xícaras de farinha na bacia. Vou mexendo com uma colher, até a massa endurecer. Separo uma xícara de farinha especialmente para polvilhar enquanto amasso. Isso facilita os dedos não grudarem na massa. No início, é um pouco chato amassar. Mas depois, à medida em que vamos colocando mais farinha, a massa vai ganhando consistência.

A parte mais difícil é amassar adequadamente, para que a massa não fique murcha ou muito esparramada. Ela tem que ganhar consistência ou então o pão não crescerá e ficará muito ruim.

Para amassar adequadamente, temos que bater a massa com a mão e depois empurrá-la para dentro de si mesma (é um pouco chato explicar com palavras essa parte). Eu passo uns 10 minutos só para fazer isso.

Depois, faço uma bola, unto a bacia com um pouquinho de azeite (tem que ser um pouquinho mesmo, senão a coisa fica ruim) coloco a bola ali, um paninho por cima, e deixo descansando por 1 hora ou 2 horas no máximo.

Quando descobrir o pano, a bola terá crescido bastante. Se isso não aconteceu, é porque não deu certo, infelizmente... Você depois pode tentar assar, mas não ficará bom.

Se a bola cresceu, amasse ela mais uma vez por uns dois minutos, do jeito que tinha feito antes. Separe a bola grande em duas bolas menores. Depois, com um rolo, abra bem a massa e enrole as duas peças como se fosse um rocambole. Recubra as pontinhas para a baghette ficar como aquelas bonitas da padaria.

Espere por mais uma hora. A massa crescerá, dando forma às duas baghettes. Depois, com uma faca afiada, faça os cortes na superfície das baghettes. Três cortes é o que costumo fazer. Um segredo para a coisa ficar mais bonita, é molhar a faca antes. Também, coloque farinha de trigo por cima e passe com a mão. Isso dará um aspecto final mais bonito.

Pré-aqueça o forno a 230 graus e coloque (por cima de uma forma grande) as duas baghettes cruas. Deixe assando por 30 minutos. Na verdade, cada forno tem suas características próprias. Daí o ideal é, a partir dos 20 minutos, cuidar para ver se a massa está dourando. Quando a massa superficial estiver dourada e consistentemente dura, acho que já está mais ou menos pronto. Na verdade, você é quem decide o ponto correto, só cuidado para não queimar a preciosidade.

Acho que é isso mais ou menos. Tem alguns detalhezinhos que infelizmente não fui capaz de colocar aqui. Fazer baghette na verdade é uma arte prática. Você vai descobrindo os seus caminhos e aperfeiçoando-os.