quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Marlos Nobre

Marlos Nobre de Almeida, mais conhecido como Marlos Nobre (Recife, 18 de fevereiro de 1939) é um pianista e compositor brasileiro.
Iniciou seus estudos musicais no Recife, aos cinco anos de idade, no Conservatório Pernambucano de Música. Diplomou-se em piano e matérias teóricas em 1955. Em 1956 prosseguiu seus estudos no Instituto Ernâni Braga do Recife, diplomando-se com distinção (diploma registrado) em Harmonia e Contraponto, em 1959. Em 1958, com uma bolsa de estudos do Departamento de Documentação e Cultura do Recife, participou do I Curso Nacional de Música Sacra, cursando Harmonia, Contraponto e Composição com o padre Brighenti.
Posteriormente fez cursos de aperfeiçoamento com H. J. Koellreutter e Mozart Camargo Guarnieri. Em 1963 viajou para Buenos Aires, onde estudou no Instituto Torcuato di Tella, na qualidade de pós-graduado, estudando com Alberto Ginastera, Olivier Messiaen, Aaron Copland, Luigi Dallapiccola e Bruno Maderna.
A estréia de seu "Trio para piano, violino e violoncelo" em 1960 no Rio de Janeiro, após vencer o II Concurso Música e Músicos do Brasil lançou o jovem compositor no cenário musical do Brasil. A crítica especializada foi unânime ao enaltecer a obra vencedora. O crítico D´Or do Diário de Notícias afirmaria então que "Marlos Nobre aparece no cenário musical nacional como uma estrela de grande luminosidade a quem parece ter Villa-Lobos entregue o cetro da criação musical brasileira". No cenário internacional, ganhou diversos prêmios de composição e Yehudi Menuhin foi o apresentador de seu catálogo de composições.
Em 2005 Marlos Nobre recebeu por unanimidade o importante Prêmio Tomás Luís de Victoria, na Espanha, atribuido pela por unanimidade pela primeira em sua história. Na entrega do prêmio foi lançado o livro "Marlos Nobre  : El sonido del realismo mágico" de Tomás Marco, editado pela Fundación Autor de Madrid,222 páginas. Tomas Marco publica em Cuadernos de Música (Volumen 12/2006),um ensaio sobre a trajetória de Nobre, afirmando "Desde mi punto de vista, Marlos Nobre es el más grande compositor vivo del continente iberoamericano". Por ocasião do concerto de entrega do prèmio em Madrid o crítico de El País, Madrid 17 de junho 2006, Vela del Campo escreve:" En la música de Marlos Nobre se desprendió una fuerza rítmica excepcional. Confluyen un triple juego de relaciones dialéticas las derivadas del pensamiento lóico en su contraste con el mágico. Las obras de Nobre poseen un magnetismo y una fuerza que la hacen irresistibles". O catálogo completo de obras de Marlos Nobre alcança no presente um total de 246 obras, todas editadas por sua própria editora "Marlos Nobre Edition". Ocupou a direção musical da Rádio MEC (1971) e do Instituto Nacional de Música da Funarte (1976). Entre 1985 e 1987 esteve na presidência do Conselho Internacional de Música da Unesco, em Paris, passando a dirigir a Fundação Cultural de Brasília em 1988. Dirigiu a Fundação Cultural do Distrito Federal entre os anos de 1986 a 1990.
Foi o primeiro brasileiro a reger a Royal Philharmonic Orchestra de Londres, em 1990. Entre outras orquestras regeu a Orchestre Philharmonique de l´ORTF em Paris; l´Orchestre de la Suisse Romande; l´Orchestre de l´Opera de Nice, France; Orquesta Filarmónica del Teatro Colón, Orquestra Sinfónica do México, Orquestra Sinfónica de La Habana. Atualmente ocupa a cadeira nº 1 da Academia Brasileira de Música e é o regente titular da Orquestra Sinfônica do Recife.
Fontes: Catálogo de compositores eruditos, Karadar e Wikipedia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário